O caldo de frango caseiro é perfeito para a transição entre os legumes e a carne. Depois da introdução dos legumes, na alimentação do bebé, podemos adicionar o caldo, esperar três ou quatro dias para verificar se ocorre alguma reacção alérgica e ultrapassada esta fase podemos adicionar o frango cozido e triturado, na sopa, creme ou puré.
Para ser franca, eu ultrapassei esta etapa mas de uma maneira ou de outra, é sempre bom ter um caldinho de reserva, para enriquecer as refeições do bebé e dar-lhe aquele toque especial.
Preferencialmente opte por carne, neste caso frango, de produção biológica, deste modo expõe o bebé a menos xenobióticos, tais como fármacos usados na “produção” do animal, bem como hormonas, bactérias altamente resistentes a antibióticos e outros contaminantes.1
Ainda, no que toca ao frango de produção biológica, alguns autores concluíram que este possui maior teor de ácidos gordos da série ómega 3, quando comparado com o frango de produção convencional.1
Posto isto, agora é só pôr mãos à obra. Ah! E depois de aprender a fazer o  caldo de frango, toca a experimentar a receitinha de sopa de abóbora assada, uma vez que este caldo é um dos ingredientes chave desta deliciosa iguaria! Combinado?

  1. EUFIC – Are organic foods safer or healthier than conventional alternatives?

Bon Appetit

3 Comments

Deixe um comentário