O fim de semana passado fomos ao Porto. E, na hora das refeições, o apetite da Francisca tendia a ser errático: ora comia muito bem, ora fazia-se de difícil. Cá em casa tem sido a mesma história e eu quase nunca dou grande importância ao assunto. No Porto, tinha a agravante de estar super excitada e com os olhos postos na brincadeira e na atenção prometida pelos tios, tias e primos, a perder a conta.

Mas avó que é avó tem quase sempre algo a dizer: “comia tão bem e agora é isto…”

Na realidade a Francisca continua a comer muito bem, já não come é SEMPRE bem. Tem os seus dias e ainda bem que assim é, já que isso é: NORMAL! Existe até um nome bastante pomposo e assustador para o designado fenómeno: anorexia fisiológica do 2º ano de vida. E eu passo já a explicar o dito cujo para que não fiquem à beira de um ataque de nervos.

Durante o primeiro ano de vida, um bebé ganha em média 7 kg de peso e 21 cm de comprimento. Durante o segundo ano de vida, o crescimento é de cerca de 2,3 kg e 12 cm, com a maioria dos bebés a atingir um peso médio de 12,3 kg e uma altura de 87 cm aos dois anos de idade.
Contudo, entre os dois e os cinco anos de idade, o aumento de peso diminui. A maioria das crianças ganha 1 kg a 2 kg e 6 cm a 8 cm por ano.

Logo, durante este período, a maioria das crianças pequenas e em idade pré-escolar experimentam uma diminuição no seu apetite. Se já não é suposto crescerem tanto, também é normal que não precisem de tanta energia (calorias) e que ajustem a ingestão de alimentos às novas necessidades.

Embora as crianças pequenas e as crianças em idade pré-escolar variem consideravelmente a sua ingestão de alimentos aquando as refeições, o que é certo é que a sua ingestão energética diária total parece permanecer bastante constante. Isto porque, as crianças saudáveis ​​têm uma capacidade notável para manter o seu equilíbrio energético ao longo do tempo possuindo mecanismos de fome e saciedade bastante eficazes.

Só em casos em que a evolução ponderal da criança levanta suspeitas é que se deverá avançar para um exame físico geral e uma história alimentar detalhada para descartar eventuais doenças agudas e crónicas. Caso contrário, não há razões para preocupações já que possivelmente a “recusa” da criança em comer está relacionada com expectativas parentais irrealistas, que podem resultar em preocupações desnecessárias, e ameaças ou penas inadequadas, agravando a recusa da criança em comer. Os pais devem por isso ser tranquilizados e aconselhados sobre o crescimento e o desenvolvimento normal das crianças nessa idade.

Por isso mãe, não insistas com a Francisca. Já sabemos que ela está a perder aquela barriga boa de bebé que tanto adoramos mas eu posso garantir-te que ela no futuro vai ficar muito mais feliz sem ela! 😉

P.s. – Obrigada Lili: a foto está maravilhosa!!!

  1. Burklow KA, Phelps AN, Schultz JR, McConnell K, Rudolph C. Classifying complex pediatric feeding disorders. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 1998;27(2):143–7. [PubMed]
  2. Reau NR, Senturia YD, Lebailly SA, Christoffel KK, Pediatric Practice Research Group Infant and toddler feeding patterns and problems: Normative data and a new direction. J Dev Behav Pediatr.1996;17(3):149–53. [PubMed]
  3. Satter E. The feeding relationship: Problems and interventions. J Pediatr. 1990;117(2 Pt 2):S181–9.[PubMed]
  4. Leung AK, Robson WL. The toddler who does not eat. Am Fam Physician. 1994;49(8):1789–800.[PubMed]
  5. Needlman RD. Growth and development. In: Behrman RE, Kliegman RM, Jenson HB, editors. Nelson Textbook of Pediatrics. 16th edn. Philadelphia: WB Saunders; 2000. pp. 23–50.
  6. Birch LL, Johnson SL, Andresen G, Peters JC, Schulte MC. The variability of young children’s energy intake. N Engl J Med. 1991;324(4):232–5. [PubMed]

 

12 Comments

  • sara diz:

    Obrigada pelo post.
    Como sempre no momento exacto, sempre bem escrito e fundamentado.

    Beijinho

  • Ana diz:

    Olá
    Tenho uma bebe de 11 meses ela sempre comeu bem em casa e na creche, mas neste momento a minha bebe come bem em casa e na creche recusa se a comer ..
    E ontem ao falar com as auxiliares ouvi coisas que não gostei , e a minha filha tem reagido de forma diferente à chegada da creche .. Não sei o que fazer , o que pensar .

  • Sandra diz:

    É bem vedade, a minha maria Inês tem 2 anos e agora há dias em que come bem e outros nem por isso, mas não me preocupo porque a miúda nao anda a morrer de fome eheh

  • Sandra Santos diz:

    Olá Sandra! Acaba por ser um bocadinho como nós: também há dias em que temos mais apetite do que noutros… beijinhos

  • Sandra Santos diz:

    Muito obrigada Sara. Fico contente que tenha gostado e que lhe tenha sido útil. beijinhos

  • Sandra Santos diz:

    Olá Ana! Os miúdos passam por muitas fases. É uma questão de ficar atenta. Beijinhos

  • Carina diz:

    Olá Sandra,
    O meu filho tem 19 meses…faz uma semana começou a recusar tudo o que se come com colher. ..a começar pela sopa….ainda ia petiscando alguma coisa do nosso prato mas muito pouco….
    Ontem por ex passou o dia com um pacote de leite de manhã, na hora do almoço não comeu nada..depois dei-lhe mama para dormir e quando acordou da sesta comeu 1 iogurte e meia bolacha a mujto custo…ao jantar ofereci-lhe a sopinha e a fruta que recusou, tb ofereci da nossa comida que recusou… por fim antes de o deitar fiz um pratinho de papa com fruta…comeu. chegou a cama mamou mais um bocadinho e dormiu!!:((
    Tem sido deste gênero estes dias cá por casa…uma aflição!
    Tenho notado que se comer mal dorme mais…se comer bem dorme pior e procura a mama!!!
    Não sei o que fazer…graças a Deus está bem disposto muito ativo.
    Tem os dentes grandes detrás em crescimento. ..não sei se terá algo a ver! !
    Não sei se devo procurar o médico. ..mas acho que não está a ingerir os nutrientes suficientes pois a carne, peixe e verduras nem vê-las!!!

  • Sandra Santos diz:

    Olá Carina! Poderá ser algo temporário e sim, pode estar relacionado com algum desconforto, nomeadamente o rompimento dos dentes. Eventualmente o ideal será aguardar mais uma ou duas semanas e depois, se a situação se perpetuar poderá sempre marcar consulta para conversarmos melhor:
    https://papinhasdaxica.pt/nutricao-na-infancia-adolescencia/
    Beijinhos,
    Sandra

  • Catarina diz:

    Olá Sandra 🙂 Adoro todos os seus post’s. Eu tenho uma menina de 20 meses e há uma semana que tem negado a sopa e antes comia-a bem. Apesar de ir comendo alguma fruta e da nossa comida não come os vegetais. Eu coloco-lhos sempre no pratinho mas às coloca-os logo de lado e com a sopa eu tinha a certeza que comia os vegetais. Não sei como proceder. O que acha que devo fazer: continuo a oferecer-lhe a sopa sempre às refeições como era costumo ou durante 1 ou 2 semanas não ofereço e depois torno a oferecer? Fico a aguardar pelas suas dicas.
    Agradeço antecipadamente a sua atenção.

  • Laura Lucena diz:

    Olá Sandra – que bom post!! Nem sei como agradecer. Acho que estou a começar a entrar nesta fase com o meu Zeca de 2 anos. Também acho que está um bocadinho a testar a paciência da mãe na hora da refeição, mas já não me sinto tão mal se ele só quiser metade da sopa e a gelatina (e não comer o prato principal).

    O seu blog e o seu livro (manual precioso lá em casa – BIBLIA das refeições do bebe) foram e são uma grande ajuda! Beijinhos e obrigada

  • Sandra Santos diz:

    Olá Laura!
    Fico mesmo muito feliz, que o livro tenha sido útil e que o blog ainda vá ajudando na gestão da alimentação do Zeca. beijinhos, Sandra

  • Sandra Santos diz:

    Olá Catarina! Pode experimentar não oferecer a sopa durante 2 ou 3 dias e depois tentar reintroduzir. Comece por uma quantidade mais pequena e faça brincadeiras ou histórias fantasiosas à volta da sopa. Diga que “esta colher é para dar força à Sky” (só vale se ela gostar da patrulha pata… 😉
    Beijinhos,
    Sandra

Deixe um comentário