O meu primeiro caril

Muito pais perguntam-me qual é o momento ideal para introduzir especiarias. Não existe uma resposta concreta para esta questão, já que tal varia muito, dependendo da cultura e do país de origem do bebé ou dos seus progenitores.
Tenho uma amiga que vive no Reino Unido que me disse que na creche do seu filho confeccionavam pratos com caril e outras especiarias para bebés com pouco mais de seis meses.

Eu acho interessante esta multiculturalidade e a introdução de pratos ligeiramente mais condimentados na alimentação de bebés e crianças, particularmente se tal fizer parte da identidade gastronómica dos pais.

Para além disso, é importante realçar que o consumo excessivo de sal influencia o aparecimento de hipertensão arterial que afeta muitos milhões de portugueses. Para condimentar e dar mais sabor às receitas de miúdos e graúdos, a utilização de especiarias como o caril ou de ervas aromáticas como os coentros são excelentes alternativas ao sal.

De uma coisa é certa: este caril  super suave é, seguramente, a melhor porta de entrada para apresentar ao seu filho todo um universo exótico de sabores diversificados e intensos.

2 Comments

  • Rafaela diz:

    Olá Sandra, obrigada pela receita, este post veio mesmo a calhar!
    Daqui a uns meses levamos pela primeira vez o pimpolho a conhecer uma parte do mundo fora da Europa, o Sri Lanka, e apesar de todo o entusiasmo confesso que também estou preocupada com a alimentação. Ele terá 17/18 meses nesse momento. Parece-lhe que a forma como cozinham por lá é conveniente para um moço dessa idade, ou será melhor levar uns boiões de comida para bébé (é que nunca usamos este tipo de comida preparada)? Acompanhei a sua viagem e a comida parecia ser maravilhosa, com muitos legumes e, lá está, também com muitooo caril… 🙂
    Obrigada!

  • Sandra Santos diz:

    Olá Rafaela,
    Existem muitos restaurantes com comida mais ocidental, principalmente em alguns hotéis e outros têm comida cingalesa mas menos picante, que me parece bastante adequada para crianças, mesmo pequenas. Em todo o caso, o seguro morreu de velho e nestes casos para um “just in case” aconselho que leve alguns boiões. Hoje em dia o mercado oferece alguns bastante interessantes e lá diz o ditado que eu acabei de inventar: os boiões são para as ocasiões… 🙂

Deixe um comentário