“E eu quero brincar às escondidas contigo e emprestar-te as minhas roupas e sentar-me nos degraus enquanto tomas banho e beijar os teus pés e segurar na tua mão e ir comer uma refeição e não me importar que comas a minha comida.” E eu quero espreitar a Casa de Papel enquanto vês a Patrulha Pata e dizer-te que nem me importo quando me colocas a mão no pescoço e me sufocas e me obrigas a ver a Peppa Pig e finges dar-me uma maçã podre enquanto pedes para ser a tua bruxa má. E eu quero dizer-te que não tenho culpa do teu cabelo desgrenhado e que daqui a uns anos, quando olhares as fotos e os teus caracóis destrambelhados, saibas que foste tu, quem nunca me deixou colocar-lhes ganchos ou fitas. E quero dizer-te que és a minha Litlle Miss Sunshine e que quero apertar-te essas bochechas e dizer-te o quanto és linda quando sorris e que me fazes rir mesmo quando choras. Quero dizer-te que começaste a fazer os teus teatros e me fizeste questionar a genética em X e Y. E que te comprei os sapatos de bailarina porque não aguento ver a tua barriguinha a tentar equilibrar-se num plié. E que nunca mais me esqueci de quando me perguntaste se quando crescesses podíamos ter uma família… E que os teus beijos são os melhores do Mundo, principalmente quando não tenho que tos pedir. E que já não gosto quando dormimos juntas e que sinto a tua falta quando não passamos a noite abraçadas. E que às vezes desespero para que adormeças e que fico perdida a olhar para ti enquanto dormes. E que anseio para que me acordes e me digas todos os dias que o sol está à nossa espera. E que eu odeio acordar cedo e que resmungo quando me acordas. E que falas pelos cotovelos e que não há em ti monotonia ou tédio. E que quero continuar a crescer contigo e aninhar-me no sofá e no teu colo e fingir que não sou tua mãe e sermos pequeninas outra vez e seres a minha mãe e imitares o que eu sou. E estar orgulhosa do que és e sentir que parte do que és, é um pedaço do que sou. E eu quero ficar aqui parada e ver as tuas construções de legos e dizer-te que me emocionas e prendes na tua felicidade de menina. E que eu não quero que isto acabe e que quero viver irremediavelmente entregue ao imenso, infindável, absoluto, incondicional, avassalador, amor que sinto por ti.

3 Comments

  • Natasha diz:

    Parabéns à pequenina e à mamã! O meu filho também fez 3 anos ontem 🙂 É uma idade cheia de birras e afirmações, mas tão doce…

  • Bruno Almeida diz:

    É inebriante ler os testemunhos que nos deixa desta “profissão” maior que é ser pai/mãe.
    Emocionei-me de pensar que ainda ontem a Leonor nasceu e já faz 2 anos em inícios de Agosto, também quero: “E que eu não quero que isto acabe e que quero viver irremediavelmente entregue ao imenso, infindável, absoluto, incondicional, avassalador, amor que sinto por ti.”

  • Sandra Santos diz:

    Olá Bruno! Para o ano vamos à festa da Leonor!! 🙂 🙂 🙂
    Muitos beijinhos para a vossa família linda

Deixe um comentário