Nos últimos dias, tenho recebido muitas mensagens a questionarem se o COVID-19 pode ser transmitido através dos alimentos.

Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) não existe, até ao momento, evidência de qualquer tipo de contaminação através do consumo de alimentos cozinhados ou crus ou embalagens de alimentos. De acordo com a EFSA “a experiência dos surtos anteriores com coronavírus, nomeadamente com o coronavírus SARS-CoV e com o coronavírus MERS-CoV, mostram que a sua transmissão não ocorreu através do consumo alimentar”.

Ao contrário dos vírus gastrointestinais (GI) de origem alimentar, como o norovírus e a hepatite A, que muitas vezes fazem com que as pessoas adoeçam através do consumo de alimentos contaminados, o SRA-CoV-2, que causa a COVID-19, é um vírus que causa doenças respiratórias. A exposição de origem alimentar a este vírus não é conhecida como sendo uma via de transmissão.

O European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC), a este respeito, refere que, apesar de se suspeitar que o novo coronavírus é de origem animal, atualmente, acredita-se que, a principal forma de propagação do vírus ocorre de pessoa a pessoa, por contacto próximo com pessoas infectadas pelo vírus. Isto inclui, pessoas que estão em contato próximo umas com outras e através de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra. Essas gotículas podem cair na boca ou no nariz de pessoas que estão próximas ou possivelmente inaladas para os pulmões.

Posso ficar doente com COVID-19 por tocar nos alimentos, nas embalagens dos alimentos ou nas superfícies de contacto com os alimentos, se o coronavírus estava presente nos mesmos?

Actualmente, como disse, não há evidência de que os alimentos ou embalagens de alimentos estejam associados à transmissão da COVID-19. Contudo, assim como outros vírus, o COVID-19 pode sobreviver em superfícies ou objetos e como tal,  a possibilidade de uma pessoa ficar infectada com COVID-19 ao tocar numa superfície ou objecto que tenha o vírus e depois tocando na boca, nariz ou possivelmente nos olhos, não pode ser de todo descartada. Até porque, alguns estudos indicam que o vírus sobrevive por algumas horas em superfícies e objectos. O tempo em que o vírus permanece nas superfícies é determinado por várias condições, nomeadamente tipo de material, temperatura ou humidade (ex: 72h plástico e metal, 24h papel e papelão, estes dados são laboratoriais e variam bastante dependendo do estudo, já que ainda ainda não existem dados conclusivos). Por essa razão, para além de ser altamente recomendado que lave e desinfecte frequentemente as mãos, é ainda fundamental seguir os 4 passos-chave da segurança alimentar – limpar, separar, cozinhar e refrigerar. Destacando-se o reforço das seguintes boas práticas de higiene:

  • Lavagem frequente e prolongada das mãos (com água e sabão durante 20 segundos), seguida de secagem apropriada evitando a contaminação cruzada (por exemplo fechar a torneira com uma toalha de papel ao invés da mão que a abriu enquanto suja). Lave também sempre as mãos entre a manipulação de alimentos crus e cozinhados. Lave também as mãos antes de comer e certifique-se de que os seus filhos fazem o mesmo.
  • Desinfeção apropriada das bancadas de trabalho e das mesas com produtos apropriados.
  • Evitar a contaminação entre comida crua e cozinhada, isto quer dizer que deve usar tábuas e facas diferentes para alimentos crus, como a carne, peixe e alimentos cozinhados.
  • Cozinhar e “empratar” a comida a temperaturas apropriadas e lavar adequadamente os alimentos crus.
  • Use sempre utensílios e pratos limpos e evite partilhar comida ou objetos entre pessoas durante a sua preparação, confecção e consumo.
  • Sempre que possível, mantenha os produtos perecíveis refrigerados ou congelados, e preste atenção às datas de validade do produto.

Notas adicionais e pessoais: Não se esqueça que o maior risco ocorre no contato próximo com outras pessoas enquanto você e elas fazem compras. No supermercado, tome precauções. Leve consigo álcool ou álcool gel e vá desinfectando as mãos frequentemente. Quando chega a casa, coloque os alimentos não perecíveis (que não se estragam com facilidade) pelo menos 30 minutos na luz solar. Sempre que possível, antes de guardar os alimentos remova todas as embalagens exteriores, sejam elas de plástico, papel ou papelão. Descarte-as para um caixote de lixo com tampa. Embalagens como latas podem ser limpas com um desinfetante antes de serem abertas ou armazenadas. Lave muito bem a fruta e legumes com água corrente antes de os refrigerar ou congelar. Terminada a manipulação das suas compras, desinfecte bancadas e lave muito em as suas mãos, com água e sabão durante 20 segundos.

Mantenham-se saudáveis!

 

Outras fontes, para além das citadas no artigo:

www.nutrimento.pt

https://www.fda.gov/food/food-safety-during-emergencies/food-safety-and-coronavirus-disease-2019-covid-19

https://www.usda.gov/coronavirus

 

One Comment

Deixe um comentário