Quando e como oferecer laranja ao bebé?

A laranja podia ser elevada a símbolo nacional, ou não fosse ela historicamente um fruto que marca a presença de Portugal no Mundo.

Crê-se que foram os portugueses a introduzir este fruto na Europa a partir da China, no século XVI, e que depois o levaram para o continente americano, onde hoje se encontram as maiores plantações de laranjas do mundo.

Por este motivo, hoje em dia as laranjas são denominadas portuguesas em alguns países. Em romeno laranja diz-se “portocálâ”, os búlgaros e os turcos chamam-lhes “portukal” e os gregos “portukáli”. Seguindo no mapa, em língua persa, falada no Irão, no Afeganistão e em países como a Arménia, a Geórgia ou o Iraque, mas também em árabe, a palavra “Portugal” significa “laranja”!

Hoje em dia a laranja é o segundo fruto mais produzido em Portugal. Existem muitas variedades de laranja que se diferenciam pelo sabor, rugosidade e tamanho. Sempre que possível e sendo um fruto tão nosso, prefira a laranja do Algarve ou nacional.

Quando é que os bebés podem comer laranjas?

As laranjas podem ser introduzidas logo que o seu bebé esteja pronto para iniciar os sólidos, o que geralmente acontece por volta dos 6 meses de idade.

Nota: Não se esqueça de remover a pele/membrana que envolve os gomos e todos os caroços.

As laranjas são saudáveis para os bebés?

Sim. A laranja é uma fruta com elevado teor de água e um baixo teor calórico. Para além disso, as laranjas contêm toneladas de vitamina C, uma vitamina antioxidante importante para o sistema imunitário do seu pequenote. Constituem ainda uma excelente fonte de ácido fólico, potássio, magnésio e caroteno.

A laranja é também uma boa fonte de ácido cítrico, o que potencia a acção da vitamina C e ajuda a absorção de ferro de alimentos vegetais como por exemplo das leguminosas. Deste modo, a associação de alimentos ricos em vitamina C com alimentos ricos em Ferro é uma ótima estratégia para reduzirmos o risco de anemia ferripriva, especialmente importante na infância, onde este quadro clínico pode provocar atrasos preocupantes no desenvolvimento psico-motor.

As laranjas são um alergénio comum?

Não. Contudo, os indivíduos com Síndrome de Alergia Oral (também chamada síndrome de alergia alimentar ao pólen) podem ser sensíveis às laranjas.

Esta é uma reação alérgica que acontece na sequência da ingestão de alguns vegetais, fruta fresca ou frutos secos.

A Síndrome de Alergia Oral resulta tipicamente numa comichão na boca de curta duração e é pouco provável que resulte numa reação perigosa.

Por vezes, o ácido presente em alguns citrinos pode causar uma erupção cutânea inofensiva na pele, tipicamente em torno da boca. Normalmente dissipa-se pouco depois de aparecer.

Deste modo, conclui-se que não há necessidade de atrasar a introdução de frutos ácidos (bagas, tomates, citrinos) e vegetais que possam causar uma erupção perioral ou irritação, uma vez que normalmente não resultam em reações sistémicas.

Contudo, as recomendações gerais para a introdução de novos alimentos também são válidas no caso da laranja: comece por oferecer uma pequena porção. Se não houver qualquer reação adversa, aumente gradualmente a quantidade ao longo das refeições futuras.

Os bebés podem beber sumo de laranja?

Os frutos devem ser consumidos inteiros e não sob a forma de sumo, quer pela elevada osmolaridade, quer pela acidez, pelo efeito laxante, anorexiante e cariogénico, quer finalmente pelo efeito de deseducação do paladar, condicionando a procura do sabor doce associado à bebida, com consequente rejeição da água.

Para além disso, a laranja, ao ser transformada em sumo, perde fibra e vitaminas, e, consequentemente, valor nutricional.

Resumindo: antes dos 12 meses o bebé não deve beber sumo, a não ser que um prestador de cuidados de saúde o oriente para tal, em circunstâncias muito específicas. Após o primeiro aniversário, a ingestão de sumo, deve ser restrita apenas ao sumo natural (100% fruta) e mesmo assim a criança não deve beber mais do que ½ chávena de sumo natural por dia.

Nota: Algumas vezes prescrevo quantidades muito pequenas de sumo natural (1 c. de chá/dia) em situações particulares, como casos de bebés (+ 6meses) com obstipação grave ou no caso do sumo de laranja ou limão para potenciar a absorção de ferro. Tal é a título excecional e em quadros clínicos específicos.

As laranjas constituem um risco de asfixia para o bebé?

Sim. Porém, para reduzir o risco, basta retirar todas os caroços e cortar a laranja de acordo com a imagem abaixo. Certifique-se de criar um ambiente alimentar seguro, mantendo uma vigilância rigorosa durante as refeições do seu bebé.

Como oferecer laranjas através do método Baby-Led Weaning?

6 a 9 meses de idade: Lave a laranja (a pele contém frequentemente resíduos de pesticidas), depois corte-a em grandes gomos (com ou sem a casca mas sem caroços e a pele/membrana). Evite oferecer gomos inteiros com pele/membrana de clementinas, tangerinas, ou outras laranjas pequenas.

9 a 18 meses de idade: À medida que o movimento de pinça do seu bebé se desenvolve (onde o dedo indicador e o polegar se encontram), para além das formas mencionadas no item anterior, corte, com a faca, a laranja em pedaços menores. (sem pele/membrana e sementes)

18 a 24 meses: Se se sentir confortável com a capacidade de mastigação e deglutição do seu bebé, tente oferecer grandes segmentos de laranja com a membrana deixada intacta.

Quando e como oferecer laranja ao bebé?

Quando e como oferecer laranja ao bebé? Podem ser introduzidas quando o bebé está pronto para iniciar os sólidos, ou seja por volta dos 6 meses de idade.

Receitas do blog com laranja:

Referências bibliográficas

  1. Alimentação e Nutrição do Lactente. Acta pediátrica Portuguesa. Vol. 43, n.º 5 Setembro / Outubro 2012 Suplemento II
  2. Tabela de Composição dos Alimentos, INSA
  3. Primary Prevention of Allergic Disease Through Nutritional Interventions: Guidelines for Healthcare Professionals
  4. Czech, A., Zarycka, E., Yanovych, D., Zasadna, Z., Grzegorczyk, I., & Kłys, S. (2020). Mineral Content of the Pulp and Peel of Various Citrus Fruit Cultivars. Biological trace element research, 193(2), 555–563. DOI:10.1007/s12011-019-01727-1. Retrieved September 15, 2020
  5. Yadav, A. K., & Singh, S. V. (2014). Osmotic dehydration of fruits and vegetables: a review. Journal of food science and technology, 51(9), 1654–1673. DOI:10.1007/s13197-012-0659-2. Retrieved September 15, 2020
  6. American Academy of Pediatrics: HealthyChildren.org. (2017). Where We Stand: Fruit Juice. Retrieved September 15, 2020
  7. Fidler Mis, N., Braegger, C., Bronsky, J., Campoy, C., Domellöf, et al. (2017). Sugar in Infants, Children and Adolescents: A Position Paper of the European Society for Paediatric Gastroenterology, Hepatology and Nutrition Committee on Nutrition. Journal of pediatric gastroenterology and nutrition, 65(6), 681–696. DOI:10.1097/MPG.0000000000001733. Retrieved September 15, 2020
  8. American Academy of Allergy Asthma & Immunology. Oral Allergy Syndrome (OAS) or Pollen Fruit Syndrome (PFS). Retrieved September 15, 2020
  9. Lott M, Callahan E, Welker Duffy E, Story M, Daniels S. Healthy Beverage Consumption in Early Childhood: Recommendations from Key National Health and Nutrition Organizations.
  10. Consensus Statement. Durham, NC: Healthy Eating Research, 2019. Available at http://healthyeatingresearch.org. This Consensus Statement is based on the full report of this expert panel.
  11. The full list of citations can be found in the full report: Lott M, Callahan E, Welker Duffy E, Story M, Daniels S. Healthy Beverage Consumption in Early Childhood: Recommendations from Key National Health and Nutrition Organizations. Technical Scientific Report. Durham, NC: Healthy Eating Research, 2019. Available at http://healthyeatingresearch.org.

Deixe um comentário